domingo, 29 de agosto de 2010

LANCHE DIVERTIDO

sábado, 14 de agosto de 2010

PEDAGOGIA VIVENCIONISTA


A escola como ela é hoje não motiva alunos, professores, diretores e nem mesmo pais. Ela segue um determinado modelo que não gera interesse pelo aprendizado e não incentiva inovações. As aulas são pré-planejadas, sem a participação do aluno e, muitas vezes, nem mesmo do professor. Com aulas assim, o resultado fica limitado.

Para mudar esse desinteresse, devemos dar ao aluno a liberdade de escolha, através da qual se cria um interesse pelo aprendizado e, com isso, aprende-se mais e melhor.

Tendo como base a liberdade de escolha e a busca pela felicidade, a Pedagogia Vivencionista desenvolveu-se para permitir que a vida entre em sala de aula por todos os meios possíveis.

Conectando a escola ao mundo, ensinamos aos alunos através da vivencia real de problemas e empreendimentos reais. Estamos falando em dar liberdade para o aluno criar, e deixar que ele descubra o que deve aprender para atingir suas metas.

Muito se tem falado ultimamente sobre o ensino através de projetos. Podemos encontrar usos que variam desde o envolvimento de toda a escola em datas comemorativas até escolas mais arrojadas que os usam como base de seu desenvolvimento pedagógico. Grande parte desses projetos, porém, não dão ao aluno muita liberdade: tanto o tema quanto o andamento dos projetos são determinados pelos adultos, e as crianças continuam limitadas a aprender somente aquilo que lhes é passado.

Para que os alunos estejam presentes de corpo e alma durante as aulas, é preciso, antes de mais nada, que os projetos despertem a motivação dos alunos e que tragam consigo um significado – o aluno precisa querer aprender e entender porque está sendo feita aquela atividade.

Os alunos, quando impulsionados por seus próprios anseios, adquirem motivação ao se depararem com problemas, necessidades e curiosidades, e constroem eles mesmos o conhecimento necessário para resolvê-los ou saná-los.

Como colocar uma educação assim em prática?

O nome “Pedagogia Vivencionista”, usado para nomear nossa metodologia, vem do fato de que, através dela, deixamos a vida entrar em sala de aula para que os alunos possam vivenciar problemas e situações reais e, através deles, desenvolver seu aprendizado.

Cada projeto vivencionista segue uma sequência de etapas, cada uma com objetivos definidos:

Fase I – Escolha do Tema – Diferente do que muitos pensam, o tema a ser estudado trará a abordagem de assuntos variados. Por isso ele pode ser escolhido pelas crianças.

Esta escolha acontece através da exposição de materiais diversos, em que as crianças exploram um kit de materiais que as apresente um mundo maior do que o universo infantil que as cerca. Conhecendo um novo mundo, as crianças sugerem os temas que chamaram a sua atenção e que gostariam de estudar. Tendo uma lista com todos os temas sugeridos, começa-se um debate em que cada aluno defende a sua idéia. As crianças mostram-se abertas a mudar suas escolhas caso outro tema as interesse mais e, por isso, depois dessa defesa, é feita uma votação através da qual se decidirá qual o tema do novo projeto.

Fase II – Exploração do tema – A fim de adquirirem um repertório mínimo a respeito do tema escolhido, as crianças desenvolvem um “mapa do projeto”, que é um registro de todas as suas questões e hipóteses sobre o tema. Esse mapa serve como uma lista de tarefas para as pesquisas iniciais: deve-se deixá-los encontrar meios para responder suas próprias perguntas. Tendo conhecimento suficiente sobre o tema escolhido, os alunos já estarão prontos para decidir aonde querem chegar com o projeto.

Fase III – Empreendimento – Esta é a fase em que o projeto realmente acontece. A atividade de conclusão é o objetivo final do projeto e, por possuir uma maior complexidade, os alunos deverão desenvolver uma série de atividades e experimentos para conseguir concluí-lo. As crianças já decidiram o seu objetivo e estão abertas a desenvolver as atividades necessárias para chegarem aonde querem. Com a ajuda do professor, elas analisam os caminhos a serem tomados e o planejamento de suas atividades. As situações não são criadas pelo professor: são necessidades genuínas dos projetos que geram oportunidades de ensino de diversas áreas do conhecimento. O término do projeto ocorre quando a atividade de conclusão é realizada.

Na proposta vivencionista, quebramos um tabu gigantesco: o de que não há educação sem planejamento. O professor que trabalhe com essa pedagogia deve entrar em sala de aula somente com a vaga idéia do que fará baseado na atividade de conclusão decidida pelos alunos. No entanto, ele deve ter em mente que os caminhos podem mudar caso algum aluno tenha outra idéia e os outros resolvam segui-lo.

Para que o ensino possa acontecer assim, o professor deve ter claramente todos os seus objetivos na ponta da língua e, quando houver oportunidade, desenvolvê-los e aprofundá-los com as crianças.

É preciso que o professor tenha confiança na vida e perceba que o conhecimento humano surge de necessidades básicas e está presente na maioria dos obstáculos que terá de enfrentar com as crianças. (Marcelo Rodrigues)

NÃO ESQUEÇA DE COMENTAR!